Sabe como funciona o sistema GSM e GPRS?

Smartins & PiresNovidadesComentar

O que é GSM, o que é GPRS?

Os sistemas de ITS necessitam de tecnologia para comunicação de dados, sem fio, seja às unidades de GPS embarcadas na frota, seja aos painéis de informação ao passageiro. A tecnologia de maior uso no País é a GSM/GPRS, fornecida pelas operadoras de telefonia celular.

O que é sinal GSM?

O GSM (de Global System for Mobile Communications, ou Sistema Global para Comunicações Móveis) é o padrão mais popular para telefones celulares do mundo. O sistema GSM possibilita o roaming internacional. O GSM diferencia-se de seus antecessores, na medida em que o sinal e os canais de voz são digitais, por isso é chamado de tecnologia 2G, de segunda geração. Em 2006, haviam, no mundo, dois bilhões de usuários de telefones celular utilizando tecnologia GSM contra 220 milhões de usuários utilizando celulares CDMA, a segunda tecnologia mais utilizada.

O que é sinal GPRS?

Com o crescimento da internet, os usuários de telefones móveis passaram a demandar acesso à internet através do celular. O problema é que a segunda geração de celulares preparou-se para oferecer telefonia digital, mas não para acessar a internet. A internet transporta dados por pacotes, através do protocolo IP e para que a rede móvel seja adequada à internet, era preciso que os dados fossem organizados e transportados também em pacotes. Foi criada então a tecnologia GPRS (de General Packet Radio Services ou Serviços Gerais de Pacotes por Rádio), cuja finalidade é possibilitar o tráfego de dados por pacotes para que a rede de telefonia celular possa ser integrada à internet. O sistema GSM com o GPRS integrado recebeu o nome de geração 2.5G, tendo sido uma evolução importantíssima para a comunicação de dados móvel. O GPRS permite taxas de transferência em torno de 40 kbps.

Antes do GPRS, a transmissão de dados era feita pela tecnologia GSM pela comutação de circuitos, isto é, uma conexão entre dois aparelhos era estabelecida, e em seguida a comunicação era feita de forma ininterrupta.  Com o advento do GPRS, passou a se utilizar a comunicação de dados por comutação de pacotes, onde a informação é dividida em vários pacotes na origem, transmitida e remontada no destino. Cada pacote leva o endereço do destino bem como a informação para montagem no destino. Cada pacote é transmitido pela rede de telefonia celular (e internet se for o caso), até chegar ao destino, através de caminhos diferentes (estipulados por aparelhos denominados roteadores). A própria Internet é baseada nesse princípio, de quebra em pacotes, para envio de dados entre origem e destino. A vantagem disso, é que os recursos de transmissão são utilizados apenas quando os usuários estão enviando ou recebendo dados. Ao invés de dedicar um canal para um usuário por um determinado período de tempo, o canal pode ser compartilhado entre vários usuários.

Posteriormente ao GPRS, veio a tecnologia EDGE de maior velocidade, e em seguida veio o padrão 3G e 4G com taxas bem mais elevadas de transmissão de dados. Entretanto, por questões de benefício/custo, a tecnologia GPRS é a mais utilizada na comunicação de dados no rastreamento de frotas. Como a tecnologia GPRS utiliza a estrutura montada na rede GSM, sempre que se fala em transmissão de dados pela telefonia celular por GPRS, costuma-se referir-se à ela pela sigla “GSM/GPRS”.

CONCLUSÃO: Partindo do princípio, quando detalhamos a questão de automação industrial relacionado a equipamentos para medição e controle de vazão e nível, significa dizer conceitualmente “Telemetria” que vem do grego (Tele=remota e Metria=Medida) relacionado a eficiência elencando rapidez nas na transmissão de informações, redução de custos e tempo, além de melhoria nas tecnologias com maior confiabilidade e principalmente controle a distância. Neste caso esse processo é ideal por exemplo: locais remoto onde precisa medir a vazão de líquidos ou gases via sistema de celular, ou seja, possibilita verificar através de tecnologias digitais e em tempo real o valores computados e registrados em “Data-logger” através da medição por transferência de dados para uma base de informações amigável à servidores. Portanto estamos caminhando para um futuro onde não haverá fiação e sim sistemas complexos e operacionais sem fio, sendo que já é adotados em outros segmentos e nesse momento não é muito forte no segmento de instrumentação e automação, mas evidentemente esta havendo evoluções para esse caminho como por exemplo a chave de nível WIRELESS da empresa Contech entre outros no mercado.

FONTE: http://its.wplex.com.br/monitoramento/o-que-e-gsm-o-que-e-gprs/

CONCLUSÃO E VISÃO DO FUTURO PARA SEGMENTO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Nossa percepção é que a evolução seja baseada em sistemas cada vez mais rápidos e enxutos elencando redução de custos físicos e operacionais, fazendo com que as informações sejam em tempo real eficientizando os processos sendo mais competitivo no mercado global. Um exemplo fica por conta da Chave de Nível com tecnologia Wireless para carregamento de tanques em caminhões evitando o transbordo, elevando a precisão na medida com agilidade. Outro exemplo mais atual que vem ganhando espaço são os painéis multimídias automotivos que dispõe recursos como mapa de localização via GPS e outras funções como acesso a internet, redes sociais, celular, bem como os testes experimentais da empresa GOOGLE feitos nos EUA num carro “não tripulado” sendo pilotado via GPS . Pegando um gancho desse assunto, os computadores de bolso como tablet e smartphones serão recursos fundamentais para acionamento e controle de algumas funções nos veículos como por exemplo ver na tela do smartphone a câmera de ré, ligar e desligar o carro entre outros status na medida do tempo. Tudo utilizado como evolução em beneficio da humanidade e das grandes metrópoles podemos encontrar em outros segmentos como residências, sistemas de segurança, aviação, aeroespacial, naval, militar etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *